A culpa é da Dilma: O antipetismo de direita

Cesar Mangolin

Um jumento em disparada faz algum estrago… Um bando deles faz mais ainda. Inconsequentes, não darão a devida importância para os danos que podem causar, apenas correm, destruindo tudo ao redor. Nem mesmo fazem ideia de quem abriu a porteira, talvez propositalmente.

Os neo-militantes de direita agem assim. Tomam problemas seculares do Brasil (como a corrupção) como se fossem obras dos últimos governos; atribuem à presidência da República responsabilidades de outras instâncias, inclusive responsabilidades dos abridores de porteiras bicudos que povoam nosso país e não se conformam com a derrota sofrida nas urnas.

Chama mais ainda a atenção que temos jumentos desembestados que se somam aos da direita vindos da esquerda, mas trataremos deles em outro texto…

Com vergonha alheia, vi gente (quase 40% da população) que atribui a falta de água ao governo federal; há quem atribua a segurança pública também. Mas há episódios mais tristes ainda: vi uma postagem que dizia que a Dilma havia concedido o direito de visita íntima a um assassino! Para esses tontos, a culpa de toda e qualquer desgraça brasileira tem nome: Dilma!

Enfim, chegamos num ponto em que a frase afirmativa “há limites para a estupidez!” somente pode ser proferida na sua forma interrogativa: “Há limites para a estupidez?” Parece que não.

A corrupção é inerente ao capitalismo… No Brasil persiste há muito. O caso da Petrobras, tomado com assombro pela mídia golpista e a classe média cor-de-rosa, é velho. Ainda era um adolescente quando trabalhava numa loja de conexões e ouvia um vendedor externo contar histórias sobre as casas de praia de compradores da Petrobras… Nessa mesma época aprendi que a propina, que “molhar a mão”, o “fazer rir” era uma prática comum. Nunca gostei nem a pratiquei, mas todos nós convivemos com ela. Quem descobriu apenas agora que as empreiteiras e demais empresas subornam compradores em processos licitatórios? Quem não sabe que há décadas no Estado de São Paulo algumas empreiteiras dividem entre si as grandes obras e “molham as mãos” de agentes do Estado? Corruptores e corruptos, farinhas do mesmo saco, crias da mesma ordem, existem desde muito tempo: isso não foi uma invenção dos governos do PT.

Mas a jumentice parece ter se tornado um adjetivo muito comum dos nossos tempos obscuros…

Há uma movimentação que envolve a grande mídia, políticos tradicionais com capivaras imensas, o tucanato, o judiciário e uma massa de manobra histérica que parece que começou a viver apenas agora e perceber as mazelas do tipo de capitalismo que se desenvolveu no Brasil.

Embora falem em nome de algum Brasil, fica claro, pelo que defendem, que não incluem o Brasil da população que mais sofreu, pela marginalização e empobrecimento contínuo, com a dragagem das nossas riquezas naturais e com a concentração de riqueza gritante e secular… A massa de manobra histérica não faz parte, obviamente, da seleta elite que concentra em suas mãos o grosso da riqueza social produzida. Os que esbravejam contra o PT e o governo não têm ideia do que estão falando; não são capazes de apontar uma solução mínima para qualquer problema. Repetem chavões, palavras de ordem sem sentido, de gente que não conhece minimamente nossa história recente.

Façam um teste: pegue um desses surtados e pergunte o que está errado e o que deveria ser feito para resolver o problema… Vai receber de volta um grunhido histérico e sem sentido, porque eles não sabem do que estão falando.

O mais triste e temerário é que forçam uma crise política seríssima, que interessa a determinados setores do grande capital. São marionetes dele…

Defendem o retorno da ditadura militar sem saber minimamente o que caracterizou aquelas duas décadas: entrega das nossas riquezas ao  capital estrangeiro; perda constante de poder aquisitivo dos salários; mais de dez milhões de mortos por fome no nordeste; genocídio de populações nativas; prisões arbitrárias, censura, tortura e assassinato…

Há também a curiosa postura da classe média brasileira que tem asco de tudo que se refira a trabalhador…

Os governos do PT atendem, sem dúvida, aos interesses do grande capital. É um governo da ordem burguesa, que dirige o Estado capitalista… Mas ao deslocarem esforços e recursos no atendimento a populações deixadas de lado por nosso processo histórico, deslocam recursos dos cofres do grande capital, que sempre tem espaços vazios para serem ocupados. No momento da crise que envolvia o segundo mandato de FHC, o PT e o governo de Lula, com as garantias que deram, foram palatáveis ao grande capital. Na entrada dessa nova crise, trata-se de tornar toda e qualquer fonte sob controle absoluto. Há muita diferença numa taxa selic de 36% (segundo mandato de FHC) e numa de 12%… Ou 7.4, que foi o mínimo alcançado no primeiro governo de Dilma… Isso toca em interesses diversos, beneficia algumas frações do capital, prejudica outras. A pressão dentro do bloco no poder e a capacidade de uma dessas frações tornar o Estado seu valet é o que está em jogo…

Há muito que se estudar e escrever sobre essas contradições, mas isso toma muito espaço… Mas, principalmente, exige tempo e paciência histórica. Algo que está ausente por aqui… Mas retomarei o argumento para falar do antipetismo de esquerda depois…

Por enquanto, vale a constatação de que os neomilitantes da direita e os da esquerda preferem facilidades: análises de lógica formal, sem contradições. Um programa redondinho e internamente coerente, ainda que não tenha relação com a realidade. O papel aceita qualquer coisa: recebe textos sagrados e também é utilizado nos banheiros…

Valeria aos que histericamente pedem o impeachment de Dilma pensar um pouco nos pressupostos do que chamam de “limpeza” da política, pensar nas soluções para nossos problemas mais graves… Caso sejam capazes de fazer isso, descobrirão que as soluções que andam apoiando representam um passo atrás muito perigoso. Que as marionetes desse jogo anti-popular percebam que ajudam a abrir as portas do seu próprio abismo.

Anúncios

17 comentários sobre “A culpa é da Dilma: O antipetismo de direita

  1. Olá Cesar, gostaria de entender o seu raciocinio. Devo primeiro abrir um parenteses antes que você diga que sou fascista, reacionária e de direita: sou mulher, negra, moro de aluguel, meu carro é um Uno 1994, trabalho no Social. E ralei muito para conseguir uma graduação, não, não foi através de cotas e nem de bolsa. Todo acadêmico esquerdista é a favor das cotas, mas fala que você se formou através de cotas e eles lhe viram a cara (vai entender). Enfim, quero entender porque a corrupção é inerente no Brasil, porque a robalheira na Petrobras sempre existiu não há nada que deva ser feito para acabar? Então porque o PSDB roubou primeiro o PT também tem o direito de roubar? Você fala sobre as razões do antipetismo, qual pesquisa você se baseia? Infelizmente a direita reacionparia tem crescido no mundo inteiro… Já pensou que isso se deve ao fato da grande frustração com a esquerda, com o Comunismo? Fico pensando… Se o PT roubou como dizem que roubou qual é a nossa esperança? Já parou para pensar que acreditamos no PT para que ele mudasse tudo que está aí e não repetisse? Que a decepção com o PT foi grande por acreditar que este realmente faria diferente? No primeiro mandato do governo Lula os brasileiros que não votaram nele não o fizeram por acreditar que ele não tinha competência intelectual e não por acreditar que ele era corrupto. Ouvi muito “só ser honesto não resolve”. E não pense que a população carente votou na Dilma por acreditar nela, mas por medo que os beneficios sociais fossem cortados. Até o coletivo no Brasil é individualista. Não a toa os movimentos sociais não dialogam entre si. Leio coisas na mídia (independente ou não) que está tão distante da realidade na rua, no campo, no chão da escola ou da fabrica. Quem fala aquilo que acredita ser a vontade do povo deveria conviver mais com ele. Parece até a obra do Boff sobre a Teologia da Libertação. Para a Academia a obra é fantástica. Dialoga com a sociologia, com a filosofia, com a antropologia… Só não dialoga com aqueles que se pretende libertar… E você dialoga com quem?
    Quanto a pensar nas soluções dos nossos problemas mais graves… Bem, pensei neles enquanto estava no banco da Facu… Agora eu arregaço as mangas e vou ao trabalho… ajudar minha gente a realmente mudar de vida, a ser independiente, ser autonomo e feliz. E você ficaria impressionado como isso é possível… Gente como você ficaria impressionado como nosso povo é capaz! Tanto faz a banda tucana ou petista. Tanto faz o FHC ou Lula. No final nenhum deles nunca esteve nem aí com o meu povo!!! E os acadêmicos… Bem, vocês adoram estudar pobre, né?!? Tá precisando aprender a estuda-los. Comece sabendo que somos como qualquer um… Tem gente boa e gente aproveitadora. Gente honesta e desonesta! Tem gente corrupta também! Gente que pensa igual ao boy (alias, na comunidade tem playboy também, tem loira burra também). Gente que usa o Bolsa Familia para melhorar a vida e gente que usa para pagar a prestação do tablete. Tem oprimido e tem opressor… Somos humanos… Ahhh… e o povo do PT também!!!

    1. Gislaine
      em primeiro lugar, agradeço sua mensagem e o fato de ler o texto e levantar questões sobre ele. Temos origem semelhante, já que você fez questão de apresentar-se da maneira como fez. Não sou daqueles que taxam antes de qualquer conhecimento, portanto, não a chamaria de reacionária, muito menos de fascista, pelas coisas que escreve. Pode ter certeza de que sei lidar com os que discordam do que penso, sem necessidade de ofensas pessoais. Portanto, até compreendo seu tom agressivo, mas tenha certeza de que poderia tê-lo dispensado. Não nos conhecemos, mas se por acaso tivesse um tanto de tempo para me conhecer melhor talvez respeitaria um pouco o que escrevo. Tenho algum tempo de vida, de militância e de estudos que me permitiram pensar assim e não de outro modo. Tenho certeza de que conheço muito bem nosso povo, pois sou povo e não um ser que vive e vê o mundo de gabinetes do mundo acadêmico. Também estudei em escola pública a vida toda e tive que trabalhar desde os 13 anos de idade para ajudar em casa. Enfim, somos do mesmo povo. Defendo as cotas exatamente por isso: você menciona que com grande esforço fez a faculdade. Deve saber que é uma exceção, infelizmente. Saindo da realidade de São Paulo ou das grandes cidades as coisas se complicam muito mais. Mas pense em quantos professores negros você teve na faculdade? Se teve algum, tenho certeza de que foi um ou dois… A defesa das cotas não é solução para o racismo e para nosso problemas históricos, mas é uma política afirmativa, que tem como objetivo e alcance dar acesso ao maior número possível a espaços bloqueados historicamente a uma parcela da população que é mais pobre e marginalizada dentre s pobres e marginalizados. Não desprezo seu esforço, nem o meu, mas temos que ter a clareza de que o processo histórico deve superar esses entraves e dar acesso a todas as camadas da população a todos os espaços. As cotas resolvem em parte esse problema, mas não são, evidentemente, a solução definitiva. Tampouco é uma ação para beneficiar vagabundos: a gente que defenda isso, mas me parece que esse discurso é apenas aquele que transfere à vítima a responsabilidade pela violência que sofre, assim como fazem com as mulheres vítimas de violência, assim como fazem com os negros vitimados pelo racismo. Você não precisa concordar comigo, obviamente, mas minha defesa não passa por um discurso assistencialista. Vai além disso. Mas vamos lá. Os textos que coloco no blog têm uma linguagem mais adequada a esse espaço, portanto, não tenho a intenção de fazer deles artigos científicos, carregados de citações e coisas assim. O que escrevo está baseado em estudos feitos, evidentemente, são opiniões sobre temas da vida cotidiana, escritas a partir da minha experiência e do meu referencial teórico que, de novo, ninguém tem obrigação de concordar com ele. Mas não escrevo a esmo. As inquietações que você manifesta têm parcialmente respostas no texto, outras não. Uma leitura mais atenta e menos visceral poderia fazê-la perceber que não defendo a corrupção, muito menos que ela persista: apenas constato que ela existe em qualquer país onde o modo de produção capitalista se desenvolveu, existe no Brasil há muito tempo e que não foi uma invenção dos governos do PT, que tristemente persistiram nesse mal. O que chamo a atenção no texto é para o fato de que não há a mesma reação para casos de corrupção de governos de outros partidos, assim como não houve a mesma reação para casos tão ou mais escabrosos ocorridos, por exemplo, nos dois mandatos de FHC, ou durante a ditadura militar. Isso leva à compreensão de que ha, sim, um antipetismo de direita, que parte dos setores médios, que acaba servindo de massa de manobra para interesses antipopulares por parte de determinadas frações do grande capital e das nossas elites. Essa ignorância é a que faz com que muitos defendam o retorno da ditadura militar, ou peçam a derrubada da presidente, sem pensar bem nas consequências disso para a vida do nosso povo (e falo do povo da nossa origem, minha e sua!). Defender a ditadura é algo estúpido. Apenas quem não faz ideia do que aquilo foi é capaz de soltar essas bobagens. Vivemos tempos obscuros pelo mundo afora e esses momentos de incerteza favorecem o florescimento de saídas nefastas… A conjuntura do nazi-fascismo foi de crise… Você deve concordar comigo que aquilo não foi solução alguma para país algum. O texto, portanto, tinha a intenção de fazer refletir os que estão envolvidos com esses discursos de saída fácil, mas sem medir suas consequências. Podemos ter saídas para essas situações que sejam progressistas e consigam trazer maior qualidade de vida a todos nós, não o contrário. Oportunismo há em qualquer lugar, não há dúvida: somos todos crias desse meio, portanto, somos todos formados como corruptos e corruptores, como machistas, como homofóbicos etc, etc.. Mas os desvios não devem fazer lançar fora boas experiências que têm elevado as condições de vida dos mais empobrecidos que secularmente vivem em condições abaixo das da linha da miséria. Não apenas a experiência do bolsa família, mas outros programas do governo federal desde 2003 têm mudado as condições de vida da população do sertão do nordeste, por exemplo, e isso me alegra bastante, isso permite pensar que é possível ir adiante, permite inclusive ter a certeza de que havendo vontade política podemos tornar esse país mais justo, ainda que nos marcos da ordem capitalista. Sou comunista por origem e por formação Sou filho de operário e de costureira. E sei que é mais razoável uma ordem que permita a justa divisão da riqueza que é produzida socialmente, que não é razoável que um punhado de gente tenha a maior parte da riqueza social produzida, acesso aos melhores serviços e a bens culturais, enquanto a maior parte do nosso povo vive à mingua, sobrevivendo um dia após o outro e tendo que fazer esforços homéricos para poder concluir os estudos e arrumar algum emprego para tocar a vida um dia depois do outro. Conheço bem esse povo e também sei que a grande maioria dele vive honestamente do seu trabalho árduo e cotidiano, assim como eu mesmo fiz a vida toda.Eu dialogo com nossa realidade. E não encontro soluções fáceis para nossos problemas, porque as soluções não são fáceis. ENfim, espero que persista em seu empenho, mas espero também que releia meu texto à luz do que disse aqui. Tenho certeza de que perceberá outra mensagem que da primeira vez. Fique sempre a vontade em fazer contato e debater este e outros temas. Ao contrário da sua mensagem, a minha não a ofendeu pessoalmente e deixou as portas abertas. PArtamos daqui para adiante. Grande abraço.
      Obs.: vou tomar a liberdade em enviar essa resposta também para seu e-mail (que aparece aqui). Mas fique a vontade em continuar esse debate por aqui ou pelo correio eletrônico, sem problema.

    1. Caro Rodrigo: se você considera o que escrevo uma bobagem, convido você a escrever o que pensa sobre esses temas e o que não seria bobagem. Garanto que se valer a pena eu publico aqui no blog, que é lido por muita gente. Mas me parece bastante covarde escrever apenas isso. A conclusão que chego é que você não tem o que dizer. Espero, já que quer participar, que escreva algo que interesse ao debate com os demais.

  2. Obrigado por nos blindar com mais um belo texto que tem o poder de nos levar a reflexão de fatos importantes da atualidade brasileira prof. Cesar, e o que é melhor, gratuitamente. Brincadeiras a parte nunca tive a oportunidade de deixar um comentário aqui apesar de já ter lido vários dos textos publicados pelo senhor pois os micros que utilizo tanto em casa como no serviço travam muito. O texto nos leva a várias reflexões como a que pouco importa se foi o partido A ou B que surrupiou o Estado, o que importa realmente é o tratamento diferenciado que a mídia em sua quase totalidade esta dando aos casos. E o mais importante como comprovado até agora havia um cartel de empreiteiras que se aliaram a agentes públicos para vencerem contratos e licitações milionárias e são essas mesmas empreiteiras as financiadores de grande parte dos partidos políticos brasileiros, doando dinheiro aos dois lados na disputa. Esse fato por si só deixa claro a importância de uma reforma política que entre outros fatores proíba o financiamento privado de campanhas eleitorais. A sociedade brasileira em geral e a paulista em particular é reacionária e conservadora em excesso, isso fica evidente nas manifestações e comentários feitos/realizados tanto na internet como em lugares públicos. Daí não é surpresa para mim os abestados que sem base legal alguma peçam o impeachment de uma presidenta eleita democraticamente e pior ainda se unirem em prol da volta dos militares ao poder como se esses fossem honestos, boas praças e respeitadores dos direitos humanos e civis. Dos dois uma, ou é muita ignorância política e histórica ou má-fé mesmo. O fato é que em tempos de internet, youtube e google, entre outros aparatos tecnológicos que nos permitem realizar pesquisas em fontes confiáveis, não se pode alegar tal tipo de ignorância. Acredito que as bolas da vez dos neoliberais visando a privatização a preço de banana de empresas públicas são a Petrobras e as companhias de saneamento estaduais como a Sabesp paulista, que estão sendo bombardeadas diariamente pela mídia como fonte de desvios e mau administração de dinheiro público. Tudo isso como uma estratégia que legitime sua venda a grupos estrangeiros, aliás já vimos esse filme antes na era FHC só que as empresas eram outras como a Vale e a CSN. Tenho muitas críticas ao governo do PT e aos programas de transferência de renda como bolsa família, renda mínima, renda cidadã, etc. mas ao mesmo tempo reconheço que esse programas apesar de causar dependência do Estado resgataram a cidadania dos mais carentes, além de inserir no mercado consumidor aqueles que não tinham o menor poder aquisitivo. Portanto, aqueles que criticam tais programas seguem o mesmo raciocino dos liberais ingleses do século XVII que diziam “que os pobres eram pobres porque não se ajudavam”. O ex-presidente Lula pode ter vários defeitos na sua atuação política, mas não podemos esquecer o fato de que ele fez política social, coisa que o sociólogo FHC deixou em segundo ou terceiro plano em sua gestão. Penso também que aquele Partido dos Trabalhadores nascido nos braços do povo e do movimento sindical, idealizado por intelectuais da esquerda que voltavam do exílio e por lideres sindicais do ABC paulista, na minha modesta opinião não existe mais. Isso porque ao assumir o poder executivo após sucessivas derrotas o partido foi perdendo sua identidade, pois para conquistar o poder teve que se aliar a legendas e nomes que até então combatia e repudiava. O resultado disso é que atualmente aquele partido de esquerda hoje milita no centro e muitas vezes na direita do cenário político brasileiro, seguindo a doutrina neoliberal burguesa. A maior prova disso é a equipe política anunciada pela presidenta Dilma com nomes como Joaquim Levy ex-Bradesco na Fazenda e Katia Abreu, representante do agronegócio na Agricultura. Até certo ponto pode-se relevar essas atitudes, pois Dilma representa o Estado e este como sabemos “é o balcão de negócios da burguesia” e graças a ideologia constitui na prática um instrumento de dominação como teorizado por Marx. No entanto, confesso que considero decepcionante a postura impotente da presidenta que teve um passado tão edificante e que ao escolher entre o povo e a burguesia esta preferindo agradar a segunda, vide o ataque aos direitos trabalhistas conquistados em árduas lutas pelos mais carentes e necessitados. Além disso, em São Paulo, o mesmo Partido dos Trabalhadores representado pelo prefeito Fernando Haddad conseguiu a aprovação na Câmara dos Vereadores após meses de debates e discussões que envolveu servidores públicos de carreira, sindicato e agentes públicos a aprovação da política salarial por subsídio que na prática cortara vários direitos dos servidores municipais que como quinquênios, sexta-parte e outras gratificações. A questão que os vereadores e o prefeito Haddad recusaram-se a debater é que tais servidores amargaram durante anos aumentos (?) de 0,001% em seus salários e não possuem fundo de garantia já que não podem ser demitidos. O piso salarial da prefeitura paulista precisou ser reajustado no primeiro ano do governo Haddad pois estava abaixo do salário mínimo, isso da pra se ter uma ideia da situação desses servidores daqui por diante. Essa é a verdadeira política neoliberal burguesa do partido que um dia foi dos trabalhadores, atacando direitos trabalhistas arduamente conquistados. Agora só falta cortar também no social, coisa que dificilmente acontecera por conta do desgaste político e prejuízo na imagem do partido.

    1. agradeço por ler e comentar, Marcel. Fique sempre a vontade para fazer a crítica dos textos que coloco aqui. Pelo visto, concordamos em grande parte e você pegou o “espírito” da coisa. Temos que pensar a realidade concreta e a dinâmica da vida política em termos de contradições. Saber analisá-las e, muito mais, saber atuar sobre elas, são tarefas fundamentais. abraço!

  3. Apesar de eu ter feito faculdade confesso que não tenho tamanha capacidade interpretativa de um artigo muito bem escrito. Sou pobre, fui bolsista na universidade metodista, ate hoje não consegui casa própria, ter uma condição de vida melhor apesar de trabalhar muito. Acredito que o nosso país , esse sistema atual vai contra seu próprio povo. O sistema faz com que haja muita corrupção, tudo é muito ddifícil e burocrático, sem falar dos impostos altíssimo…porém nada justifica a corrupção e o roubo tanto PT, PSDB…..complicado o atual quadro político do nosso país. O que acho muito triste porém é ver e ouvir que toda nação ou boa parte dela prefere a volta dos militares do que essa tal democracia. Triste muito triste. O corrupção é o pior cancer que existe. Parabéns pelo texto. Muito difícil de entender. Muito culto.

    1. Meu caro Alessandro: tenho certeza, pelo comentário que fez, que você compreendeu bem o sentido do texto e as contradições que aponta. Fico feliz que o tenha lido e comentado. A intenção desses textos do blog é que sejam acessíveis a abertos ao debate e à crítica. Caso eu exagere na “abstração” em algum deles pode me chamar a atenção. Fique sempre a vontade em criticá-los. abraço!

  4. kkkkkkkkk o mais legal de tudo eh ser chamados de jumentos desembestados, mas nao eh nada pessoal rsrsrsrs, Manda esses politicos safados que nao dao nada pra ninguem pararem de roubar o nosso dinheiro, a gente eh oprimido esfolados vivos com a maior carga tributaria do mundo sem nenhum retorno, o governo faz assistencialismo com o nosso dinheiro e diz que eles estao erradicando a pobreza kkkkk eh uma piada, abram suas carteiras seus sangues sugas vao dar alguma coisa pra algum pobre e depois vcs venham pregar em dividir os bens… ah me economiza que nao sou obrigada, ainda ter que aguentar seu chamada de jumenta por nao aceitar calada o que essas facçoes criminosas desse pais faz eh nao me venham com mim mi mi de que corrupçao eh inerente de capitalismo nao que tah cheio de pais capitalista que nao tem a bandalheira e corrupçao desse pais. PRA ESSA ESCORIA SOH TENHO UMA COISA A DIZER TOMEM VERGONHA NA CARA SEUS VAMPIROS.Ah soh mais uma coisinha, falta de argumento tem quem fica rotulando os outros de anti sei la o que, sou anti mesmo anti safadeza anti roubalheira anti canalhice independente se a praga eh da direita ou esquerda. VIVA O BRASIL, VIVA O POVO BRASILEIRO.

  5. Prezada Celia: parece que você não entendeu o sentido do texto… Talvez a histeria golpista tenha lhe cegado já. Fico feliz que tenha lido o texto e o tenha comentado alegremente. Mas parece que você vestiu a carapuça voluntariamente. Paciência. Boa sorte! Abraço!

  6. Como sempre um ótimo texto para reflexão, e o mais importante é saber que essa discussão sucita verdadeiramente o que as pessoas pensam ou são, haja vista os comentários feitos. Acredito estarmos vivendo um dos períodos mais conturbados e conservadores da nossa história recente, a nova formação do nosso congresso reflete isso, e o pior é que diariamente vemos a defesa dos militares e a sua pseudo ordem e moral. A corrupção realmente é um mal que assola nossa sociedade, agora o mais triste é acharem que com a volta dos militares isso acabaria, sendo que foi um período no qual o capital estrangeiro fez o que quis, é triste a falta de conhecimento histórico. Os mesmo que falam de moral e corrupção, são os mesmos que oferecem uma “caixinha” quando são pegos na blitz da lei seca. Ora, se isso não for corrupção o que mais será? Pra mim, a única diferença são os valores. São os mesmos que são contrários ao assistencialismo do bolsa família e recebem o bolsa sei lá o que para fazerem intercâmbio de estudo no exterior, e que muitas vezes nem voltam para o país, ficam por lá mesmo, mas espera ai, isso também não sai do nosso bolso? Bem, vivemos no país da hipocrisia, onde o assistencialismo só não pode para a classe trabalhadora. César, em um dos comentário você cita seu referencial teórico, quero que saiba que graças a você puder ter contato com eles. Fui seu aluno em 2008 no curso de História da Uniesp. Sabemos que a instituição é uma porcaria, porém tive a grande sorte de tê-lo como professor.

  7. É hilariante esses rótulos “jumentos”, pelo simples fato de ser a favor ou contra um ideal. Esquerda, direita? Não sei como as pessoas se degladiam por causa de partidos políticos, são todos ratos só mudam os ninhos.
    Ao invés de discutir o capitalismo, socialismo ou comunismo, ao invés de perderem tempo defendendo ideais de quem não está nem aí para o povo, que só querem ter status e dinheiro no bolso, deveriam utilizar o tempo com coisas realmente úteis, indo visitar um orfanato, um asilo, uma instituição que cuida de pessoas com câncer e afins. Isso sim seria fazer algo pelo nosso país, e não um bando de “jumentos letrados” que debruçam sobre livros para vomitar essas babiseiras. E para finalizar: “Se o socialismo/comunismo fosse tão bom, não teriam construído um muro para não fugirem para o capitalismo”

  8. Caro Ricardo. Fico feliz que tenha lido o texto. Penso que podemos gastar a vida de formas diversas, inclusive dando alento aos mais carentes de tudo, como você mesmo diz. Mas vale pensar em construir uma sociedade mais razoável, que elimine a necessidade da caridade e dê dignidade às pessoas. O nome disso pode ser qualquer coisa, desde que seja capaz de fazer isso. Vale estudar um pouco sobre os temas que você se propõe criticar… nesse caso, entre ser um jumento letrado ou jumento pura e simplesmente pode fazer a diferença. abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s